INSCRIÇÃO: 00576
 
CATEGORIA: RT
 
MODALIDADE: RT01
 
TÍTULO: Aquarelando
 
AUTORES: Gabriela Rubia Bastos dos Santos (Universidade Federal do Pará); Netilia Silva dos Anjos Seixas (Universidade Federal do Pará); Rodrigo Avelar Corrêa (Universidade Federal do Pará); Raisa Cristine Rodrigues de Araújo (Universidade Federal do Pará); Susan Natálya da Paixão Santiago (Universidade Federal do Pará); Lucas da Silva Costa (Universidade Federal do Pará); Ana Paula Gomes Castro (Universidade Federal do Pará); Adnes Brena da Silva Sousa (Universidade Federal do Pará); Maria Paula Malheiros Oliveira Silva (Universidade Federal do Pará)
 
PALAVRAS-CHAVE: Comunicação, Diversidade, Público Infantil, Preconceito, Rádio
 
RESUMO
Aquarelando é um programa de rádio infantil desenvolvido para um público de sete a onze anos, que buscou apresentar para crianças, em linguagem acessível e lúdica, a temática do preconceito na sociedade. O projeto surge da necessidade de conjugar informação com entretenimento, a fim de trazer reflexões a um público em formação sobre assuntos considerados tabus, visto também a negligência com que temáticas dessa natureza são abordadas pelas mídias tradicionais. A produção de Aquarelando foi desenvolvida após brainstorming da equipe, priorizando o cuidado com formato e linguagem, para tratar de assuntos de relevante responsabilidade social para um público em formação. Como base teórica, utilizamos Piaget (1999), sobre o desenvolvimento cognitivo do público infantil, Ferraretto (2014) e McLeish (2001), como literatura de produção e redação radiofônica.
 
INTRODUÇÃO
A escassez na veiculação de programas de rádio para e com crianças no Brasil é visível. As concessionárias hertzianas não demonstram interesse em produzir programas voltados a esse público, negligenciando a necessidade de produções que contribuam para sua formação como seres humanos. Piaget (1999) define a fase de sete a onze anos como o Estágio Operatório Concreto do desenvolvimento cognitivo da criança, no qual há progressos na conduta e na socialização advindos da superação do egocentrismo, que lhe capacita a colocar-se no lugar do outro. Neste estágio, "o essencial é que a criança se torna suscetível a um começo de reflexão", estabelecendo novos paradigmas lógicos, morais e afetivos, que desenvolvem o respeito mútuo e o sentimento de justiça que lhe conferem a capacidade de interiorizar ações (PIAGET, 1999, p.42). O programa Aquarelando - disponível em https://soundcloud.com/rodrigo-avelar-530854590/aquarelando - teve sua produção e execução marcadas pelo desafio de montar um produto formativo, acessível e cativante, capaz de satisfazer um público não contemplado pelas produções radiofônicas. Apoiados nas lições de McLeish (2001) sobre o processo de produção em rádio e a partir das orientações da professora no Laboratório de Radiojornalismo,, imergimos no universo infantil. Por meio da observação de crianças do nosso convívio, acompanhamos seus gostos e reações frente às primeiras ideias para o programa. Ideias para programas devem basear-se solidamente nas necessidades e na linguagem do público a que são dirigidas: o trabalho do produtor é avaliar, pensar e prever essas necessidades por meio de um contato próximo com os ouvintes em potencial. (MCLEISH, 2001, p. 199) Assim, o Aquarelando tomou a forma de um programa para crianças e não sobre crianças, fundado na ideia de veicular um conteúdo de relevância social e de cunho educativo para esse público, negligenciado pelas rádios abertas.
 
OBJETIVO
O objetivo geral do Aquarelando foi construir um programa de rádio infantil que tratasse temas considerados "tabus" pela sociedade, em associação com o gosto pelo lúdico e entretenimento do público-alvo de sete a onze anos, dentro da linguagem radiofônica. Como objetivos específicos, buscamos informar sobre questões que geram preconceito, com base nas discussões e debates da sociedade, de modo a apresentar ideias para um público em formação, que leve a uma reflexão sobre a diversidade; aproximar a linguagem radiofônica de um público ligado a um mundo visual, aproveitando os recursos sonoros ofertados pelo rádio para tornar o Aquarelando uma experiência educativa e interessante ao público-alvo. Buscamos, também, estimular o público infantil a aguçar o pensamento crítico e reflexivo sobre as questões apresentadas. Tivemos , ainda, o propósito de enfatizar o cuidado e o respeito para com a criança, tratando esses assuntos com sensibilidade e ludicidade. Por fim, enfatizamos durante todo o programa que a presença de adulto era importante em diversas atividades tratando os assuntos de maneira responsável.
 
JUSTIFICATIVA
O programa Aquarelando foi criado com o intuito principal de ser atraente para o público infantil, considerando a escassez de produtos destinados a crianças pelo rádio. Em Belém, Pará, onde a escassez é ainda maior, temos um programa radiofônico referência no meio, o “Abracadabra”, Programa transmitido pela rádio Cultura FM, da Fundação Paraense de Radiodifusão (Funtelpa) há mais de 20 anos. O programa foi idealizado e tem sido apresentado pela jornalista Linda Ribeiro e é marcado pela contação de histórias, cantigas de roda e brincadeiras tradicionais, programação musical infantil e divulgação educativa voltada para os direitos das crianças. O programa Aquarelando possui o propósito de abordar temas considerados tabus para a sociedade, porém, importantes para a formação social humana das crianças, principalmente pelo fato de serem, em sua maioria, temas negligenciados pela mídia tradicional e pelas famílias. Dessa forma, o roteiro do programa procurou adequar esses temas a uma linguagem acessível e objetiva para compreensão de seu público-alvo, tornando o texto leve e parecido com uma conversa entre amigos que falam sobre assuntos e situações novas que descobriram e que são relacionadas à temática do programa. A sexualidade é um dos temas norteadores do Aquarelando, com esse assunto buscamos desconstruir estereótipos que perpetuam a divisão de brincadeiras, produtos, atividades e até profissões entre meninos e meninas. Essa desconstrução está presente no programa nos seguintes exemplos: o personagem que ensina a receita é um menino, e antes de anunciar a receita, o apresentador do programa, também do sexo masculino, explica que é uma receita que ele gosta de fazer com um amigo. Utilizamos essa ferramenta como uma tentativa de associar a atividade de cozinhar também ao gênero masculino; a entrevista feita, de forma estratégica, com uma jogadora de futebol em vez de um jogador, assim também como as perguntas feitas pela repórter e as respostas da criança, em que ela explica que seus amigos não praticam preconceito por ela ser uma menina; durante a locução, um dos apresentadores diz que foi criado por pais homossexuais. A questão envolvendo a cor da pele e preconceito racial também é um dos temas norteadores do programa, o que explica a presença da peça "O Menino Azul" e o slogan "Um programa de todas as cores para todas as crianças", pois não consideramos a criança apenas como consumidora de entretenimento, mas como sujeito capaz de assimilar reflexões sobre a diversidade humana, principalmente porque nosso público-alvo está em uma fase de reflexão sobre si e sobre o outro. Assim, o programa Aquarelando surge da necessidade de tratar temas de responsabilidade social e interesse da população para um público infantil. Quanto a sua importância acadêmica o programa se apresenta como uma produção que vai contra os padrões ainda mantidos pela mídia tradicional, de assuntos que são destinados a crianças, principalmente por uma construção social, que ainda mantém divisões de gênero em brinquedos, por exemplo.
 
MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS
Antes das equipes serem divididas para trabalharem em seus respectivos temas, todos os alunos do Laboratório de Radiojornalismo deram ideias que pudessem ser desenvolvidas em programas, que seriam a última atividade do Laboratório. Esses programas de rádio poderiam ter formato e temas livres, desde que apresentassem informações verdadeiras. Os alunos puderam escolher com qual tema e equipe iriam trabalhar. A partir disso, deu-se início o trabalho de produção com pesquisa de informações, estruturação inicial do programa, distribuição de tarefas, elaboração de pautas, gravação de entrevistas, redação e gravação de matérias, adaptação e gravação da peça “O Menino Azul”, elaboração e gravação do roteiro, sonorização e edição do programa. A equipe, composta por oito alunos, iniciou o debate para desenvolver o programa partindo da bibliografia sugerida pela professora e orientadora do trabalho durante as aulas, que abordam a linguagem radiofônica e as técnicas de radiojornalismo. Passada essa primeira parte discutimos o que seria relevante e importante em um programa infantil, levando em conta se faríamos um programa para crianças ou sobre crianças, como a professora nos indagou na ocasião. Após a escolha de fazer um programa para crianças, seguimos com uma pesquisa de conteúdo, em que buscamos web rádios e programas de rádio temáticos que dialogassem com o tema preconceito, que iria nortear todo o programa Aquarelando. Uma das principais fontes para a elaboração do programa foi a Rádio Radinho, uma web rádio com foco educativo e que tem em sua grade conteúdo informativo e musical voltado para crianças, seguido pelo Eureka!, um programa radiofônico de divulgação científica para crianças, produzido na Rádio Web da Universidade Federal do Pará, com o objetivo de tratar de assuntos do cotidiano escolar a partir do conhecimento científico produzido na Amazônia. Iniciamos as reuniões da equipe, quando definimos o formato, estruturamos o programa e pensamos o que colocaríamos, assuntos que seriam relevantes, quais reportagens, quadros e serviços. O passo seguinte foi a elaboração de pautas. Depois nos dividimos e, dependendo do tamanho da pauta de cada um, foi designado sempre um ou dois alunos para tal. Cada um de nós teve autonomia para desenvolver um assunto, mas sempre dentro do objetivo inicial do programa: tratar o preconceito de forma lúdica para o público infantil. A estruturação do programa ficou definida com apresentação, o primeiro quadro, que é uma peça radiofônica, o segundo abordando os tipos de família, uma matéria, um de culinária e um quadro de serviços. Um dos grandes desafios para a nossa equipe era a definição do tempo estimado do programa. Inicialmente, tínhamos a pretensão de fazer um programa em três blocos de aproximadamente 10 minutos, no entanto, no decorrer da produção, percebemos que seria interessante, principalmente por causa do tempo que tínhamos para a produção, fazer um único programa com duração de 12 minutos. Uma das exigências da professora era que todos tivessem a voz audível no programa. Então, cada um idealizou e foi locutor de seu próprio quadro. Para o roteiro principal, fizemos teste de voz para escolher a melhor combinação de vozes. Vinhetas e quadros foram pensados de maneira que contemplassem a proposta de cada um deles e do programa. Com o roteiro gravado, escolhemos os efeitos sonoros e as músicas para o trabalho de sonorização e edição, com o auxílio do técnico de áudio. Os integrantes da equipe participaram ativamente de todos os processos, inclusive da edição final. Assim, pudemos vivenciar todas as etapas de produção e finalização de um programa de rádio, conforme estava previsto no conteúdo programático do Laboratório. O produto foi gravado e editado no Laboratório de Radiojornalismo da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará, com o técnico de áudio João Nilo e a supervisão da professora Netília Silva dos Anjos Seixas. Para a gravação do programa foi utilizado o Sony Sound Forge Pro 11.0 para gravação e edição e o Sony Vegas Pro 13 para montagem. Todo o programa foi feito durante o mês de fevereiro e início de março de 2017, compreendendo a gravação de todas as partes do programa, que foi ouvido, discutido e avaliado por toda a turma, o técnico de áudio e a professora. 4.1. Elaboração do roteiro Essa foi uma parte que exigiu de nós uma grande atenção, pois a linguagem que seria utilizada deveria ser leve, concisa e clara para uma criança. Mas ao mesmo tempo não poderia ser uma linguagem muito infantil, não queríamos dublar uma voz de criança. Utilizamos como embasamento teórico a obra de Luiz Artur Ferraretto, “Rádio: o veículo, a história e a técnica” (2000), que foi muito relevante na explicação de elementos técnicos, próprios da redação e linguagem para o meio rádio. O autor diz que “a simplicidade é a regra básica do texto radiofônico, preparado para um público genérico, ou seja, qualquer pessoa apta a ligar um receptor e sintonizar uma emissora” (FERRARETTO, 2000, p.204). O roteiro foi elaborado de forma coletiva. Criamos um documento compartilhado no Google Drive e cada integrante do grupo colocava a parte que tinha desenvolvido. Além disso, utilizamos o modelo apresentado por Ferraretto (2000) para a realização do roteiro, com as devidas adaptações na nomenclatura técnica para o momento atual. Após a finalização, foi feita uma revisão e leitura conjunta, com supervisão da professora, a fim de perceber se havia erros de palavras e expressões, assim como se o texto estava de acordo com a linguagem radiofônica. 4.2. Sonoplastia Para uma boa condução do produto, decidimos usar uma sonoplastia variada, pois como estávamos falando para crianças, seria interessante utilizar recursos sonoros que chamassem a atenção delas. A trilha sonora escolhida passeou por diversas canções infantis, desde melodias mais agitadas às mais lentas, que mudavam de acordo com os quadros, com a proposta de criar um ritmo. A sonoplastia incluiu também sons de crianças brincando, na peça inicial, para dar a sensação de proximidade com o que estava sendo narrado. 4.3. Escolha do nome O nome foi escolhido a partir de um brainstorming, quando os membros da equipe sugeriram títulos relacionados com as temáticas abordadas pelo programa. A escolha do nome com o slogan, “Aquarelando - um programa de rádio de todas as cores para todas as crianças”, foi uma das últimas decisões tomadas pelo grupo e se deu a partir do pensamento de que a aquarela possui várias cores. Como o nosso interesse era contemplar essa diversidade de cores de pele, cabelos, tipos de famílias e comportamentos em nossa abordagem, optamos por utilizar esse nome, que representaria a ideia do programa.
 
DESCRIÇÃO DO PRODUTO OU PROCESSO
Pela classificação de Ferraretto (2014), o programa Aquarelando está inscrito no segmento popular de rádio, considerando a simulação da conversa coloquial com o ouvinte e a constante prestação de serviços. O formato utilizado para o programa é o público. Segundo Ferrareto, esse formato “constitui-se em um tipo de rádio voltado à construção da cidadania e à difusão cultural ampla” (FERRARETO 2014, p. 68). Quanto ao gênero jornalístico, o programa Aquarelando pode ser visto como interpretativo, que “representa uma ampliação qualitativa do tratamento dos assuntos a serem repassados ao público” (FERRARETO, 2014, p.69). A proposta do programa infantil se deu pelo interesse em trabalharmos com um público pouco visado pelo rádio na região amazônica. Ao escolhermos o público, decidimos, em meio a discussões, trabalhar com a temática do preconceito em suas diversas formas. A partir disso, iniciamos a pesquisa por informações e depois a preparação do roteiro, com divisão de tarefas, propostas dos quadros e definições de prazos. O Aquarelando se construiu na perspectiva de um programa educativo infantil destinado a crianças de sete a onze anos, que se encontram no que Piaget (2012) chama de Estágio Operatório Concreto, onde a capacidade de reflexão aperfeiçoa-se, a criança passa a levar em conta o ponto de vista do outro e organiza os seus próprios valores morais. O programa tem duração de 12’21’’ e possui, em sua estrutura, vinheta de abertura, vinheta de identificação, uma peça radiofônica e quatro quadros que serão descritos a seguir. 5.1. Vinhetas A vinheta de abertura possui 10 segundos e foi gravada por seis integrantes da equipe, distribuídos três a três em dois microfones. Em um foram gravadas as falas “aquarelando” e “venha ouvir”, e, no outro “o que?”. A vinheta de abertura segue com o slogan “Aquarelando: um programa de todas as cores para todas as crianças”. Começa a locução dos apresentadores, que explicam o tema do programa e trazem algumas definições iniciais. Além disso, montamos a vinheta “você está ouvindo: Aquarelando” para marcar a passagem de um tema para outro dentro do programa. 5.2. O Menino Azul A peça radiofônica é a narração de um conto, inserida no ínicio do programa, onde, os locutores apresentam a temática para a introdução de “O Menino Azul”, da autora Dadá, publicada no site “Uma Historinha Por Dia” (DADÁ, 2015). A peça foi pensada para o início do programa, para justificar a escolha do tema, do nome do programa e do slogan “Um programa de todas as cores para todas as crianças”. A peça narra a estória de um menino que era azul e após anos sentindo-se diferente, foi para uma escola onde encontrou meninos em vários tons de azul e de outras cores (DADÁ, 2015). 5.3. Quebra-cabeça - Um quiz para crianças curiosas O segundo quadro é um quiz, no qual fazemos uma pergunta sobre as diferentes formas de família existentes e damos alternativas para que, após os próximos quadros, a criança possa responder à pergunta formulada. Na resposta, colocamos que todas as alternativas estão corretas para reforçar que todos os tipos de construção de família são válidas e assim legitimar a proposta do programa, que combate o preconceito. A resposta do quiz passa a ser a definição de que família “é um conjunto de duas, três, quatro, cinco ou dez pessoas. Se a criança tem pai e mãe, dois pais ou duas mães, se ela mora com seus avós, com seus irmãos, seus tios, não importa, essa é a família da criança”. Considerando que, nessa idade, a capacidade de reflexão é aperfeiçoada, é importante discutir as diferentes configurações familiares. Colocamos o quadro de pergunta e resposta na tentativa de levar o ouvinte mirim a contextualizar o novo conhecimento, reelaborando o que ele já sabe e gerando um processo dialético que trará novos símbolos e novos significados para a vida da criança. 5.4. Matéria o Aquarelando apresenta uma matéria com base em entrevista com a estudante Paula Cristina, de onze anos, que conseguiu uma bolsa de estudos em uma escola particular de Belém por se destacar no time em que participava anteriormente. Na matéria, abordamos a importância de meninas praticarem esportes e outras atividades que anteriormente eram restritas apenas a meninos, além disso, a criança responde que nunca foi vitima de preconceito por seus colegas, incentivando outras meninas jogarem. A entrevista foi autorizada e acompanhada pela mãe da estudante. 5.5. Mão na massa - comidinhas fáceis para crianças famintas Seguindo o programa, trazemos uma receita culinária, com a vinheta "Mão na massa - comidinhas fáceis para crianças famintas”, com uma receita simples para crianças. O objetivo desse quadro é levar as crianças para a cozinha, na intenção de propiciar uma atividade saudável de brincadeira, integração e aprendizado, sem perder de vista que trabalhar nesse ambiente pode ser perigoso para crianças e tedioso para o ouvinte. Pensando nisso, escolhemos uma receita simples e fácil, além de aconselharmos que o trabalho seja realizado com a supervisão de um adulto. 5.6. Agendinha - o que fazer na cidade quando cai a internet Com a proposta de apresentar lugares e mostrar para as crianças que existem coisas interessantes na cidade além da internet, a última matéria apresentada no programa é o “Agendinha - o que fazer na cidade quando cai a internet”. Nela, falamos sobre atividades de lazer que as crianças, acompanhadas de seus responsáveis, podem fazer na cidade de Belém, pois, como bem ressalta Carvalho (2014), é importante que os pais entendam que atividades extracurriculares são essenciais. A autora explica que essas atividades recebem o nome de “estudo do meio” (CARVALHO, 2014). A autora ressalta ainda que “atividades culturais - como visita a museus, passeio a lugares históricos ou ida ao teatro - ampliam a visão de mundo e a bagagem de conhecimentos do aluno” (CARVALHO, 2014, s.p.), sem contar a importância da socialização, ampliação de conceitos teóricos e motivação para continuar aprendendo sobre os temas.
 
CONSIDERAÇÕES
O rádio é também um meio que passa por profundas ressignificações, portanto, o maior desafio do programa Aquarelando foi buscar equilíbrio entre a necessidade de discutir pelo rádio temas considerados tabus sem perder a sensibilidade e cuidado que se deve ter ao produzir conteúdo infantil. O programa foi construído por uma equipe de adultos (de 19 a 30 anos), que realizou um trabalho de produção e edição, de modo que se conjugasse o lúdico à responsabilidade de informação. Aquarelando foi uma experiência para além do Laboratório de Radiojornalismo do curso de Comunicação Social-Jornalismo da Universidade Federal do Pará. A flexibilidade dada pela professora orientadora de temáticas possíveis de abordagem possibilitou o direcionamento a um público pouco presente nas produções laboratoriais de rádio: o infantil. Dessa forma, não tínhamos modelos precisos a seguir, mas unimos os conhecimentos teóricos e técnicos adquiridos no Laboratório com o desafio de fazer um programa de rádio para as crianças, com temas de relevância social. É importante não perder de vista que a construção deste programa é resultado de um processo de aprendizagem no Laboratório de Radiojornalismo, como parte das várias etapas de formação do futuro jornalista.
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁICAS
CARVALHO, Adriana. 8 dicas para ficar tranquilo na hora do passeio escolar, 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2017.

DADÁ. O menino azul. 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2017.

FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2014.

MCLEISH, Robert. O trabalho do produtor. In: Produção de rádio: um guia abrangente da produção radiofônica. 3. ed. São Paulo: Summus, 2001.

PIAGET, Jean. O desenvolvimento mental da criança, In: Seis estudos de Psicologia. 24. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

PIAGET, Jean. Epistemologia genética. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

PORTAL CULTURA. Programa Abracadabra completa 20 anos na Cultura FM. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2017.

RÁDIO RADINHO.. Disponível em: . Acesso em 07 mar.2017