INSCRIÇÃO: 01082
 
CATEGORIA: JO
 
MODALIDADE: JO03
 
TÍTULO: A alimentação como tema de um jornal laboratório impresso
 
AUTORES: Gustavo zavitoski Martinello (Universidade do Sagrado Coração); Beatrice Martins Catini (Universidade do Sagrado Coração); Caroline Aparecida Ayala Silvestre (Universidade do Sagrado Coração); Daniela Pereira Bochembuzo (Universidade do Sagrado Coração); Denise Paula Cardoso Almeida (Universidade do Sagrado Coração); Mayara Luna Padilha (Universidade do Sagrado Coração); Daniela Pereira Bochembuzo (Universidade do Sagrado Coração)
 
PALAVRAS-CHAVE: Alimentação, Jornalismo, Jornalismo Impresso, Jornal-Laboratório, Saúde
 
RESUMO
A sociedade contemporânea vive momento de transição alimentar, resultante das transformações socioeconômicas, que tem levado ao registro de problemas de saúde. Sob essa justificativa, foi elaborado um suplemento impresso especializado denominado "Alimentação", cuja função é informar sobre as práticas da alimentação saudável, dos exercícios físicos, dos produtos orgânicos, do vegetarianismo e alertar sobre os perigos dos transtornos alimentares, obesidade, bem como relatar os pontos positivos e negativos da cirurgia bariátrica. O trabalho baseia-se em pesquisas documentais, bibliográficas, entrevistas e em técnicas redacionais, de edição e de diagramação. O resultado final é um caderno de jornal impresso, em formato standard, com quatro páginas coloridas, contendo cinco reportagens, desenvolvido para a disciplina de Laboratório de Jornalismo Impresso I, do curso de Jornalismo da USC.
 
INTRODUÇÃO
Especialistas observam que, quando comparada a épocas anteriores, a alimentação no século XX sofreu drásticas mudanças. Essa evolução nutricional decorreu da evolução social e a partir de necessidades e desejos de grupo de pessoas, inclusive no Brasil, onde transformações socioeconômicas têm se refletido na saúde da população. O artigo "Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos" cita um pensamento da autora Susan Welsh que exemplifica a evolução nutricional "O avanço na ciência da alimentação e nutrição tem se tornado constante nos últimos anos, e estes estudos geram resultados que devem ser usados para a melhoria da qualidade de vida da população" (Welsh, 1992 apud Cruz; Latterza; Philippi; Ribeiro, 1999). Porém, muitas pessoas não estão acompanhando essa evolução nutricional e continuam adeptas aos hábitos que prejudicam a saúde. De acordo com pesquisa da Vigitel divulgada pelo Ministério da Saúde em 2015, mais da metade de população estava acima do peso (52,5%), as informações são do Portal G1 (FORMIGA 2015). A diabetes também é outra doença recorrente da má-alimentação. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o número de diabéticos quadruplicou entre 1980 e 2014, as informações também são do Portal G1. A cobertura midiática sobre o tema alimentação é de importância-chave para a difusão das informações sobre os riscos decorrentes da má alimentação. Isto porque os veículos de comunicação têm o poder de construir realidades e consequentemente 'opinar' sobre os hábitos do indivíduo. No artigo O papel da mídia brasileira na construção das representações sociais de segurança alimentar é destacado uma citação de Gutelling que descreve a relação de influência da mídia sobre as pessoas, "o público pode construir uma imagem da 'realidade biotecnológica' apenas com base no que a própria mídia decide transmitir" (Gutelling, 2002 apud Allain; Camargo, 2007).
 
OBJETIVO
Diante do contexto de mudanças alimentares e de saúde da população observado no Brasil, com reflexos registrados em diferentes realidades regionais e locais, este trabalho teve como objetivo produzir um suplemento impresso especializado sobre o tema alimentação, tendo como parâmetro temporal 16 de outubro, estabelecido como Dia Mundial da Alimentação pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), para a disciplina de Laboratório de Jornalismo Impresso I, alocada no terceiro semestre do curso de Jornalismo da Universidade do Sagrado Coração, de Bauru – SP. Os objetivos específicos envolveram realizar pesquisa exploratória sobre os temas alimentação, saúde, qualidade de vida e jornalismo impresso, de finalidade aplicada; produzir e redigir reportagens do gênero interpretativo, de forma a proporcionar aos leitores o acesso a informações aprofundadas sobre temas relacionados à alimentação e promover a reflexão dos receptores a respeito dos hábitos alimentares da sociedade.
 
JUSTIFICATIVA
A Teoria do Agendamento, fundamentada por Maxwell McCombs e Donald Shaw, pressupõe que a mídia é quem determina quais assuntos farão parte das conversas dos consumidores de notícias, uma vez que os indivíduos tendem a considerar mais importante os assuntos pautados pela imprensa. No artigo “O Agendamento do Tema “Eleições presidenciais no Brasil em 2014” no jornal Folha de São Paulo”, Garibaldi utiliza uma citação do autor Mauro Wolf que descreve a importância dos veículos de comunicação no cotidiano dos indivíduos. Em consequência da ação dos jornais, da televisão e dos outros meios de informação, o público sabe ou ignora, presta atenção ou descura, realça ou negligencia elementos específicos dos cenários públicos. As pessoas têm tendência a incluir ou excluir dos seus conhecimentos aquilo que os mass media incluem ou excluem do seu próprio conteúdo [...] (Wolf 1999 apud Garibaldi, 2015) Em contrapartida, a mídia escolhe temas para serem veiculados nos meios de comunicação de acordo com a agenda pública, ou seja, as conversas e os assuntos observados entre os indivíduos de uma dada comunidade. Nos últimos anos, a alimentação tem sido tema de debates, seja por conta das preocupações com a saúde e qualidade de vida ou em razão de questões relacionadas ao abastecimento público. No entanto, nem sempre as abordagens são realizadas de forma simplificada, mas envolta em abordagens técnicas, que dificultam o acesso de diferentes públicos ao conteúdo debatido. Nesse sentido, o suplemento impresso especializado “Alimentação” foi formulado com o objetivo de informar a população sobre assuntos relacionas à alimentação, muitas vezes negligenciados pela maioria, aproveitando a comemoração do Dia Mundial da Alimentação, realizada em 16 de outubro por determinação Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). A fim de indicar a amplitude da temática, a edição-piloto do suplemento foi formulada de maneira a abarcar assuntos diversos, como os transtornos alimentares, o perigo da obesidade, a dieta vegetariana, a produção orgânica de alimentos, a importância da união de uma dieta balanceada e exercícios físicos, além de informar sobre a cirurgia bariátrica. Desta forma, avalia-se que o leitor poderá perceber o impacto da alimentação em sua vida em diferentes perspectivas. Tal decisão justifica-se além das questões de saúde. Pesquisa de 2015 da consultoria Euromonitor indicou que o mercado de alimentação saudável movimenta 35 bilhões de dólares por ano no Brasil. Na cidade de Bauru não é diferente, pois em meio ao setor industrial municipal encontram-se indústrias que fabricam produtos alimentícios dos mais variados, como balas, chicletes, chocolates e, principalmente, carne, que a coloca entre os grandes exportadores do país. Segundo dados da Secretaria de Finanças do Estado de São Paulo, o setor de alimentos foi o segmento industrial de Bauru que mais arrecadou Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) em 2005. Esse resultado tem levado Bauru a ganhar cada vez mais novas empresas alimentícias. A posição geográfica privilegiada, na região central do Estado de São Paulo, somada ao fato de ser um dos maiores entroncamento rodo-hidro-ferroviário do Brasil, atraem empresários ao município, ao favorecer o transporte de cargas aos grandes centros. Uma vez que o tema Alimentação tem relação direta com a cidade, que também é referência em pesquisa e atendimento na área de saúde, é muito importante a veiculação de um suplemento especializado sobre alimentação. Além disso, é necessário demonstrar que qualidade de vida e saúde são temas complexos, que exigem o auxílio de profissionais da saúde para evitar doenças como diabetes, hipertensão, obesidade, entre outras. Por todos esses motivos, uma publicação temática sobre alimentação mostra-se pertinente e relevante, representando uma contribuição social necessária à comunidade.
 
MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS
A produção do suplemento impresso especializado “Alimentação” foi norteada por percurso metodológico composto por pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e pesquisa de campo, de objetivo exploratório social e finalidade aplicada. A pesquisa bibliográfica foi etapa fundamental para conhecer a área da alimentação e confirmar sua complexidade e abrangência, bem como aprofundar as referências sobre a função social do jornalismo, a aplicação do jornalismo impresso e as técnicas para apuração e redação jornalística para veículos impressos. Para tanto, foram consultadas obras de Bahia (2009), Lage (2009) e Noblat (2010), cujas observações foram complementadas com as reflexões acerca dos valores-notícia, a partir das contribuições de Traquina (2008), e da teoria do agendamento, por meio de consulta ao trabalho de Brum (2003). Para conhecer de forma mais detalhada os temas da pauta, foram consultados artigos de Cruz; Latterza, Philippi; Ribeiro (1999), Allain; Camargo (2007) Amaral; Carvalho; Ferreira (2009) e Garibaldi (2015). A pesquisa bibliográfica foi complementada por investigação documental em sites de organizações atuantes na área de saúde e alimentação e consulta ao Jornal da Cidade de Bauru, veículo impresso de circulação diária, para análise da abordagem de conteúdos na área pretendida. Foram utilizadas duas edições de domingo, mais precisamente as edições dos dias 8 e 15 de maio de 2016. A edição do dia 8 de maio apresentou 13 matérias de página inteira sobre assuntos relacionados à alimentação e saúde. A edição do dia 15 de maio apresentou nove matérias de página inteira sobre o assunto. O suplemento foi constituído de acordo com parâmetros noticiosos observados no Jornal da Cidade e recomendados por Traquina e outros autores consultados, como Brum. A editoria de alimentação se desenvolveu através dos princípios da Teoria do Agendamento. Entende-se que, apesar de o produto amparado em análise de um jornal regional, as matérias podem ser de interesse nacional. Para a produção dessa editoria foram usados valores-notícia como notoriedade e proximidade, além de relevância e importância. Os dados coletados nas pesquisas bibliográfica e documental ampararam a realização de quatro reuniões para definir qual seria a pauta de cada reportagem, bem como os temas seriam abordados. Nesses encontros, também houve cooperação e colaboração entre a equipe, que atuou de forma colaborativa durante toda a elaboração e execução do suplemento. Além do mais, foi discutido e resolvido que o caderno de jornal teria cinco reportagens, compostas por abre, sub-retrancas, gráficos e imagens voltadas, para a temática da alimentação. A fim de complementar as matérias, o suplemento contou com entrevistas de duas nutricionistas, de um agricultor, de uma psicóloga e de um professor de educação física. O produto final foi desenvolvido em formato standard, porque o grupo acreditou que esse formato proporcionaria espaço suficiente para atender as necessidades das matérias. Na execução do suplemento a equipe utilizou o que foi aprendido nas aulas de Teorias da Comunicação e Laboratório de Jornalismo Impresso, aplicando, ainda, os dados obtidos durante a pesquisa exploratória. A atenção ao percurso metodológico confirmou que a prática embasada na reflexão teórica permite decisões mais seguras e coerentes, pois como diz Lage (Lage 2009, p. 134): “Complicada ou não, a pesquisa é a base do melhor jornalismo”.
 
DESCRIÇÃO DO PRODUTO OU PROCESSO
Para o jornalista Ricardo Noblat (2010), o jornal é muito mais do que um negócio e, por essa razão, deve ser visto como um serviço público, procedendo como servidor público. “Mais do que informações e conhecimentos, o jornal deve transmitir entendimento. Porque é do entendimento que deriva a democracia, o poder dos cidadãos” (NOBLAT, 2010, p. 19). Se um jornal não se baseia apenas nos lucros, o jornalista, com a ajuda dos valores-notícia, entendido como parâmetros de identificação de valoração sobre o potencial que uma informação tem de se tornar notícia (TRAQUINA, 2008), tem o dever de oferecer conteúdos que a sociedade queira e necessite para o seu dia a dia. Para que os leitores possam pensar criticamente, sobre as matérias veiculadas no jornal é necessário que haja clareza e objetividade na construção dos textos, somente assim será possível a compreensão do público sobre o conteúdo emitido. Ademais, o jornalista precisa se preocupar em transmitir matérias completas que despertem o interesse do leitor. Noblat (2010) acredita que [...] se a principal meta é oferecer notícias exclusivas é preciso ser rigoroso na seleção de assuntos a serem cobertos e que necessariamente também serão pelos demais jornais. Devem-se apostar todas as fichas na cobertura mais ambiciosa de poucos assuntos. (NOBLAT, 2010, p. 127). A qualidade de um material jornalístico, seja mensurado por sua profundidade ou qualidade textual, tem relação direta com a apuração. Para Juarez Bahia, o repórter deve apurar tão bem quanto escrever. “A apuração é o mais importante para a notícia, da mesma forma como a notícia é o mais importante para o jornalismo” (BAHIA, 2009 p. 50). Nesse processo, cabem a pesquisa bibliográfica, documental e de fontes para entrevistas, bem como a observação in loco. Os dados bibliográficos e documentais auxiliaram na produção das pautas, que contaram com a apresentação do tema, identificaram sua abordagem na mídia (para definição de nova angulação), objetivos da apuração, sugestões de fontes e de perguntas. Com base nas pautas, foram selecionadas fontes testemunhais, cujas histórias pudessem ilustrar as reportagens e permitir a identificação do leitor com o conteúdo apresentado, e fontes especialistas, também denominadas experts por Lage (2009), que pudessem apresentar explicações e elucidar dúvidas sobre o assunto. O critério de seleção das fontes foi sua qualificação em relação ao assunto, ou seja, o quão pertinente sua experiência era em relação ao assunto. [...] relevante é aquilo que, combinado com informações da memória e do contexto, permite a produção de informação nova. [...] é, assim, relevante para alguém porque: (a) tem credibilidade, seja pelos acertos anteriores ou, mais provavelmente, pelo prestígio tecnológico da instituição que o gerou [...]; e (b) combinada com as intenções desse alguém [...]. (LAGE, 2009, p. 60). Sob essas recomendações foram redigidas cinco matérias para a edição-piloto do suplemento, de quatro páginas em formato standart. Na capa, optou-se por abordar o tema cirurgia bariátrica, apresentada sob o seguinte título: “O estilo de vida vegetariano” e trata das práticas alimentares de pessoas que excluem a carne do seu cardápio diário. Foram apresentados índices de pessoas com câncer e explicações sobre vitaminas importantes para o organismo. Para caracterizar a matéria foram utilizadas entrevistas de vegetarianos e a citação de um filme, para exemplificar o assunto. A segunda matéria, “Os transtornos alimentares prejudicam o corpo e o psicológico das pessoas”, descreve quatro transtornos alimentares específicos e também aborda os perigos que esses transtornos podem implicar no dia a dia da pessoa. Foram entrevistadas pessoas que passam ou já enfrentaram por algum tipo de transtorno alimentar, de forma a servir de alerta para o leitor. A terceira matéria tem como título Alimentos saudáveis são produzidos em Boracéia”, trata da importância da produção de alimentos orgânicos, para a saúde, dando destaque à cidade de Boracéia, no Interior de São Paulo, que tem como um de suas fontes de renda a agricultura. Os agricultores Fabio José Pereira e Raimundo Oliveira Silva foram entrevistados e apresentaram dados sobre a origem de seus produtos. Para finalizar, foram apresentadas submatérias com dicas sobre como montar uma horta. A quarta matéria, denominada como “Obesidade atinge número elevado de pessoas”. O texto relata os índices de obesidade, os perigos que uma alimentação desregrada pode trazer para a vida do indivíduo, pontos positivos e negativos da cirurgia bariátrica e como o acompanhamento psicológico é importante durante a perda de peso. A reportagem apresenta dados coletados por meio de entrevistas a fontes testemunhais que já fizeram cirurgia bariátrica e experts como a nutricionista Isabela Rizatto e a psicóloga Edna Castro Drago. A quinta e última matéria, “Dieta e exercício físico: o combo ideal para construir músculos”, descreve como a dieta balanceada e a atividade física interferem na mudança do corpo. Para essa matéria ser redigida foram utilizados índices sobre reeducação alimentar, participação em academias e treinos de musculação. O professor de educação física Daniel dos Santos, as nutricionistas Marina Palaro Massucato e Tatiana Eto e outros entrevistados contribuíram para a complementação da matéria. Para tornar a apresentação do conteúdo atraente, o projeto gráfico foi organizado de maneira a equilibrar textos e imagens e permitir a fluidez da leitura. Entende-se que, quanto mais fácil for a visualização do conteúdo presente na página, mais o leitor avançará na leitura. Nessa mesma perspectiva, títulos e intertítulos foram destacados para chamar a atenção do leitor enquanto os infográficos e as imagens foram utilizados para complementar e ilustrar a parte textual, de forma que o suplemento se mostrasse um todo coeso e agradável ao olhar. A produção das pautas, bem como as redações das reportagens e planejamento gráfico, foram realizadas durante as aulas da disciplina de Laboratório de Jornalismo Impresso I, sob orientação da professora Ma. Daniela Pereira Bochembuzo. Após impresso, o produto final foi apresentado como produto final da disciplina.
 
CONSIDERAÇÕES
Considera-se que a produção do suplemento impresso especializado “Alimentação”, foi importante para que a equipe pudesse vivenciar a futura rotina, dentro da redação de um jornal. Ao longo da produção, foram registradas algumas dificuldades em relação ao tempo, para apurar os fatos e com o retorno das fontes – algumas demoraram mais do que outras –, mas os obstáculos se mostraram pertinentes para exercitar a superação, permitindo aprender abordagens diferentes e que até então eram desconhecidas para a coleta das informações para redação da matéria. Durante a produção do suplemento, pode-se confirmar que a pluralidade de opiniões é fundamental para a reportagem e que, em meio a opiniões diversas, se faz necessário optar por um direcionamento, de forma a proporcionar coerência no tratamento do assunto, desde que norteados pelos principais valores que sustentam o jornalismo, que são a ética, veracidade e precisão. Nesse sentido, a reflexão sobre a Teoria do Agendamento se mostrou importante para a estruturação dos assuntos do nosso suplemento, uma vez que essa perspectiva teórica indica que a mídia se preocupa com a maneira ‘como’ as pessoas conversam e quais serão os assuntos mais abordados durante suas conversas diárias. Novamente foi usado o artigo “O Agendamento do Tema “Eleições presidenciais no Brasil em 2014” no jornal Folha de São Paulo” para destacar um pensamento de Barros Filho sobre a Teoria do Agendamento. De certa forma, o jornal é o primeiro motor da fixação da agenda territorial. Ele tem grande participação na definição do que a maioria das pessoas conversarão, o que as pessoas pensarão que são os fatos e como se deve lidar com os problemas (Barros Filho, 1995 apud Garibaldi, 2015)
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁICAS
ALLAIN, Juliana Mezzomo; CAMARGO, Brigido Vizeu Camargo. O papel da mídia brasileira na construção das representações sociais de segurança alimentar. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

AMARAL, Ana Carolina Soares; CARVALHO, Renata Silva; FERREIRA, Maria Elisa Caputo. Transtornos alimentares e imagem corporal na adolescência: uma análise da produção científica em psicologia. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, 2009.

BAHIA, Juarez. Jornal, história e técnica: As técnicas do jornalismo, volume 2. 5e. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009.

BRUM, Juliana. A Hipótese do Agenda Setting: Estudos e Perspectivas. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2003.

CRUZ, Ana Tereza Rodrigues; LATTERZA, Andrea Romero; PHILIPPI, Sonia Tucunduva; RIBEIRO, Luciana Cisotto. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Campinas: Unicamp, 1999

FORMIGA, Isabela. Excesso de peso atinge 52,5% dos brasileiros, segundo pesquisa Vigitel. PORTAL G1. Brasília, 2015. Bem-estar. Brasília Bem-estar. Disponível em: < http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/04/excesso-de-peso-atinge-525-dos-brasileiros-segundo-pesquisa-vigitel.html >. Acesso em: 5 de junho de 2016.

GARIBALDI, Lorena Barros. O Agendamento do Tema “Eleições presidenciais no Brasil em 2014” no jornal Folha de São Paulo. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Joinville – SC, 2015.

GLOBAL REPORT ON DIABETES. World Health Organization, 2016. Disponível em: < http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204871/1/9789241565257_eng.pdf?ua=1 >. Acesso em: 3 de junho de 2016.

HOSPITAL SAMARITANO. Apenas 22% da população brasileira tem alimentação saudável. São Paulo: Núcleo de Gastrenterologia, 2015.

LAGE, Nilson. A reportagem: Teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record, 2009.

NOBLAT, RICARDO. A arte de se fazer um jornal diário. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

Número de adultos diabéticos se multiplicou por quatro em 35 anos. Portal G1. São Paulo, 2016. Bem-Estar. Disponível em: . Acesso em: 5 de junho de 2016.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo: A tribo jornalística uma comunidade interpretativa transnacional, volume 2. Florianópolis, 2008.

VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO: ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS NAS CAPITAIS DOS 26 ESTADOS BRASILEIROS E NO DISTRITO FEDERAL EM 2014. VIGITEL BRASIL 2014 SAÚDE SUPLEMENTAR. MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Brasília- DF, 2015.