INTERCOM 2019: IV COLÓQUIO JORNALISMO, RESISTÊNCIA E LITERATURA REUNIRÁ JORNALISTAS E ESCRITORES

14 de agosto de 2019

“Em um ambiente de crise da democracia, é essencial abordar a resistência. Como vamos nos organizar para resistir ao autoritarismo?” Com este questionamento, o professor Felipe Pena (UFF/Intercom) resume a importância da quarta edição do Colóquio Jornalismo, Resistência e Literatura, que terá nomes como os jornalistas Franklin Martins e Renato Rovai, a escritora Anna Maria Linhares e o juiz federal Edevaldo de Medeiros em três mesas de debates no dia 6 de setembro, no Auditório 8 da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém.

O IV Colóquio Jornalismo, Resistência e Literatura faz parte da programação do 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2019), a ser realizado de 2 a 7 de setembro na UFPA, em Belém, com o tema central “Fluxos comunicacionais e crise da democracia”. “Teremos um enfoque maior no tema do congresso deste ano. Para isso, contamos com a presença de pessoas que estão acostumadas a fazer resistência regional, nacional e internacionalmente”, explica Felipe Pena, coordenador geral do evento.

A primeira mesa do dia, das 10h às 12h, terá a jornalista cubana Rosa Miriam Elizalde, vice-presidente da Federação Latino-americana de Jornalismo, o jornalista Renato Rovai, editor da revista “Fórum”, e o juiz federal Edevaldo de Medeiros para discutir “Jornalismo de Resistência” – debate que, segundo o professor Felipe Pena, será alicerçado pelos eixos da guerra semiótica e do lawfare.

Sobre a guerra semiótica, Pena explica que ela se baseia em três pressupostos: a ressignificação de palavras e conceitos (estratégia que era utilizada pelos nazistas, bem explicada no livro “LTI – A Linguagem do Terceiro Reich”, de Victor Klemperer); o agendamento político e da cognição pública não mais pela imprensa, e sim pelo Twitter presidencial; e o sofisticado modus operandi dessa estratégia, criado por Steve Bannon para a campanha de Donald Trump em 2016, que utiliza grupos de WhatsApp como “laboratório de testes” para as falácias criadas, antes que elas sejam disseminadas pelas redes sociais digitais e pelo próprio WhatsApp. “Hoje, a situação no Brasil vai além de uma guerra de versões – não é a pós-verdade, e sim a autoverdade. A Comunicação precisa entender muito bem esses três princípios da guerra semiótica para poder enfrentá-la”, afirma. Nesse sentido, Renato Rovai explicará como atua na revista “Fórum” em relação a essa guerra semiótica, enquanto Rosa Miriam Elizalde dará a perspectiva de uma jornalista que faz resistência em Cuba – país que também é vítima de uma guerra semiótica.

Já o lawfare – a “guerra jurídica” em que o Direito é utilizado para fins específicos – será abordado por ser um fator determinante na atual crise da democracia no Brasil. “Para explicar como a Justiça vem sendo vilipendiada, deturpada e desrespeitada pelo mecanismo do lawfare, atualmente adotado por grande parte do Judiciário brasileiro, teremos na mesa um juiz federal que não se alinha a essa prática. Edevaldo Medeiros dará sua visão enquanto jurista que desempenha a mesma função que Sergio Moro tinha antes de se tornar ministro da Justiça”, explica Felipe Pena.

Os debates seguem na Mesa 2 com o tema “O futuro da televisão”, das 14h às 16h. “Além de falar sobre como a TV aberta vem perdendo campo para o streaming, os três convidados da mesa também entrarão na questão da resistência”, afirma o coordenador do Colóquio. “Franklin Martins, que é um dos maiores jornalistas da história do Brasil, foi diretor da TV Globo durante muitos anos e ministro do governo Lula na Secretaria de Comunicação, onde pôde entender melhor a falta de democratização da Comunicação no país. Já André Fran, que viaja mundo inteiro com o programa ‘Que mundo é esse?’, da Globonews, dará um apanhado geral sobre como a televisão caminha para o streaming e como essa linguagem evoluiu, e como ele (que é também ativista social) faz jornalismo de resistência. E Nathália Kahwage, que é apresentadora da TV Liberal, do Pará, dará uma visão mais regional, que também é muito importante.”

A terceira e última mesa, das 16h às 18h no dia 6 de setembro, buscará entender como a literatura faz resistência. Para tanto, contará com a participação de Cristina Serra, ex-repórter especial da TV Globo que acaba de lançar o livro-reportagem "Tragédia em Mariana – A história do maior desastre ambiental do Brasil" (Record). “Cristina foi muito criticada nas redes sociais por se posicionar contra o governo Bolsonaro e por denunciar escândalos de grandes empresas, como é caso da Vale do Rio Doce em Mariana. Além disso, traz uma visão regional, pois ela é paraense”, comenta o professor Felipe Pena. Também participa da Mesa 3 a escritora Anna Maria Linhares, que mostrará como a cultura dos índios do Pará é uma forma de resistência. “Com isso, teremos uma especialista na cultura indígena amazônica falando sob o viés da literatura – que é uma grande forma de resistência, além do jornalismo.”

SOBRE O INTERCOM 2019
O 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, de 2 a 7 de setembro de 2019 na UFPA, em Belém, é uma realização da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

Além do IV Colóquio Jornalismo, Resistência e Literatura, a programação do congresso inclui oficinas e minicursos, sessões de apresentação de trabalhos nos Grupos de Pesquisa, Intercom Júnior e Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação (Expocom) e evento de lançamento de livros (Publicom). O Intercom 2019 também abriga outros eventos científicos como: IV Colóquio Latino-americano (Pan Amazônico) de Ciências da Comunicação; VI Encontro Internacional do Colégio dos Brasilianistas da Comunicação; Jornada Beltraniana 2019 (Rede Folkcom); Fórum Ensicom 2019 (que terá a última audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares de Publicidade e Propaganda); III Fórum de Rádios e TVs Universitárias; V Fórum Socicom-Intercom; IV Fórum Comunicação e Trabalho; II Ciclo Amazônia; e 42º Ciclo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

Clique aqui para conferir a programação preliminar do Intercom 2019.

No site oficial do Intercom 2019, você encontra mais detalhes sobre Belém e a UFPA.

Siga o Intercom 2019 no Facebook e no Instagram (@intercomnacional) para acompanhar as novidades.

LEIA TAMBÉM:

INTERCOM 2019: PROF. GIOVANDRO FERREIRA INDICA BIBLIOGRAFIA ESSENCIAL SOBRE O TEMA “FLUXOS COMUNICACIONAIS E CRISE DA DEMOCRACIA”

VISIBILIDADE E FOMENTO DA PESQUISA EM COMUNICAÇÃO SÃO TEMAS DO V FÓRUM SOCICOM-INTERCOM

CONFIRA OS 54 TÍTULOS QUE SERÃO LANÇADOS NO PUBLICOM

PROGRAME-SE: INTERCOM 2019 ENCERRA INSCRIÇÕES EM 08/08

CICLO DE ESTUDOS REUNIRÁ GRANDES NOMES NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA DEBATER OS FLUXOS COMUNICACIONAIS E A CRISE DA DEMOCRACIA

INTERCOM 2019 CONFIRMA RAMÓN SALAVERRÍA, DA UNIVERSIDADE DE NAVARRA, NA CONFERÊNCIA DE ABERTURA DO CICLO DE ESTUDOS

RÁDIO INTERCOM FARÁ COBERTURA DO INTERCOM 2019

BORA PRA BELÉM! PARTICIPANTES DO INTERCOM 2019 TÊM DESCONTO EM PASSAGEM AÉREA E TARIFA ESPECIAL NO HOTEL OFICIAL

INTERCOM 2019 DIVULGA PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR DE OFICINAS E MINICURSOS

CONGRESSO NACIONAL INTERCOM 2019 DIVULGA PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

intercom pinheiros

SÃO PAULO - SP
(11) 2574 8477 | (11) 3596 4747
R.JOAQUIM ANTUNES, 705 - PINHEIROS - 05415-012
SECRETARIA@INTERCOM.ORG.BR



Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13 às 17h


intercom BRIGADEIRO

São Paulo - SP
(11) 3892 7558
AV. BRIG. LUIS ANTÔNIO, 2.050 - CONJ. 36- BELA VISTA