INFORMATIVO INTERCOM, SÃO PAULO, 15 DE DEZEMBRO DE 2020

INTERCOM 2020 REUNIU CERCA DE 3.000 CONGRESSISTAS NA PLATAFORMA VIRTUAL

Inscritos podem assistir aos eventos nos auditórios virtuais até 10/01 e certificados digitais serão disponibilizados nas próximas semanas.
Próximo congresso nacional será organizado pela Unicap (Recife) com o tema “Comunicação e Resistência: práticas de liberdade para a cidadania”

Leia também:
• Rede Latino-Americana de Cátedras e Observatórios será criada em 2021
• Vencedores dos Prêmios Estudantis da Intercom
• Publicom: confira o catálogo de 2020

Entre os dias 1º e 10 de dezembro, a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) realizou seu primeiro congresso nacional inteiramente virtual em 43 anos de história. O 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2020), organizado pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom-UFBA) com a colaboração de outras instituições de ensino superior da região, garantiu o encontro entre 3 mil pesquisadores, docentes, estudantes e profissionais da Comunicação em plena pandemia – tudo em uma plataforma virtual desenvolvida sob medida para o congresso e carinhosamente apelidada de Plataforma Acarajé pelos congressistas, em alusão à cidade anfitriã, Salvador.

Ao longo de dez dias, os congressistas tiveram a oportunidade de acompanhar 22 eventos nos auditórios virtuais, que trouxeram nomes que são referência em suas respectivas áreas de pesquisa e atuação para debater as principais questões comunicacionais da atualidade a partir do tema central “Um mundo e muitas vozes: da utopia à distopia?”.

A vasta programação foi aberta por uma mesa que incluiu Ivanise Hilbig Andrade (UFBA/Intercom), coordenadora da comissão organizadora; Suzana Barbosa, diretora da Facom-UFBA; Zulu Araújo, diretor da Fundação Pedro Calmon (FPC) e representante da Secretaria de Estado da Cultura da Bahia; Margarida M. Krohling Kunsch (USP),

presidente do Conselho Curador da Intercom; Giovandro Ferreira (UFBA), presidente da Intercom; e João Carlos Salles, reitor da UFBA. Todos destacaram os desafios impostos pela pandemia de covid-19, pela crise da democracia e pelas desigualdades sociais, salientando a importância do congresso da Intercom nesse contexto. “Que as nossas reflexões ao longo desses dez próximos dias de congresso possam ajudar nossa sociedade a ser mais plural, com múltiplas vozes, proporcionando caminhos para o combate ao racismo, ao machismo e outras formas de violência”, afirmou o professor Giovandro.

Em seguida, o professor Muniz Sodré (UFRJ) proferiu a conferência de abertura do 43º Ciclo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, que tradicionalmente é o centro dos debates sobre o tema do congresso. Foi uma oportunidade ímpar de ouvir um dos maiores pensadores brasileiros da Comunicação sobre o documento histórico Relatório MacBride – um mundo, muitas vozes, publicado em 1980 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e que lançou a utopia de uma nova ordem da informação em que as novas tecnologias quebrariam o “monopólio da fala” detido pelos órgãos de comunicação em massa – utopia esta que não se realizou.

“Acreditava-se que a livre troca de informações, que a livre troca de ideias em escala global aperfeiçoaria automaticamente o mundo. Esta é a ideologia do Relatório MacBride. A hipótese de uma democracia eletrônica surge hoje no bojo da possibilidade técnica de uma comunicação instantânea, de uma comunicação global, uma comunicação que, supostamente, seria capaz de pôr as diferenças culturais em jogo dialógico e, na arena política, seria capaz de facilitar o contato direto entre um emissor e seus receptores. [...] No século XXI, nós verificamos que a situação é bem mais complexa do que isso. [...] Vivendo nessa ordem reticular, cada indivíduo é mero relais de transmissão, orientado por um segredo criptográfico que está nos subterrâneos operativos. Ora, o que está em curso não é mais nenhuma utopia realizada nem é a concretização do imaginário material recomendado pela Comissão MacBride. Trata-se de uma reconfiguração antropológica da vida humana, portanto uma reconfiguração antropológica da vida humana, portanto uma reconfiguração do sujeito real.” – Professor Muniz Sodré





Confira um resumo da abertura no Facebook ou no Instagram.

A íntegra está disponível no YouTube do Intercom 2020.

A conferência de abertura deu o tom para os debates que se seguiram tanto no Ciclo de Estudos, que aprofundou temáticas como narrativas das minorias sociais, comunicação e participação popular e os impactos do capitalismo de dados na pluralidade de vozes, quanto em eventos como o V Colóquio Latino-americano de Ciências da Comunicação, a Jornada Beltraniana (Rede Folkcom) e o V Colóquio Jornalismo de Resistência. Como não poderia deixar de ser, a pandemia e suas consequências nos mais diferentes aspectos da vida e da sociedade foram discutidas no contexto da comunicação digital, principalmente no V Fórum Comunicação e Trabalho, no IV de Rádios e TVs Universitárias e na V Conferência do Pensamento Comunicacional Brasileiro (Pensacom).

Além desses eventos, a plataforma virtual também acolheu pesquisadores, pesquisadoras e estudantes em salas dedicadas aos 34 Grupos de Pesquisa (GP), às oito divisões temáticas do Intercom Júnior (IJ), aos bate-papos com os autores dos 69 livros lançados no Publicom e às 74 oficinas e minicursos. “O congresso nacional expressa, na prática, os princípios que orientam as ações da Intercom, em especial a articulação entre atividades extensão, atividades de pesquisa e atividades de ensino”, comenta o prof. Giovandro Ferreira.

Ao todo, foram apresentados quase 1.600 trabalhos nos GPs e IJs. Vencido o estranhamento inicial em relação à apresentação em modalidade virtual, os encontros foram ricos também em afeto, promovendo a real integração entre as pessoas participantes. “Foi um grande desafio criar a logística necessária, mas conseguimos realizar eventos não presenciais com a qualidade, a organização e a excelência que são as marcas da Intercom. Foi um enorme aprendizado, e todas as equipes envolvidas avaliaram positivamente a experiência”, comemora a professora Nair Prata (UFOP), diretora Científica da Intercom. “O maior dos congressos de Comunicação da América Latina continua sendo um grande guarda-chuva que abriga um amplo espectro de eventos, com a participação tanto de professores e pesquisadores sêniores quanto de alunos de graduação que estão se iniciando na pesquisa científica.”

“Creio que conseguimos cumprir nosso objetivo de realizar um congresso que pudesse promover, mesmo que de forma virtual, o encontro, os debates e as trocas de experiências entre os congressistas. Nada do que a gente fizesse este ano seria ideal, porque 2020 está se mostrando extremamente desafiador para todos nós. Então fizemos o que foi possível para garantir acesso e participação, com conforto e tranquilidade, a todos os congressistas. Eu e toda a comissão organizadora do Intercom 2020 estamos muito felizes”, completa a professora Ivanise Andrade.

O clima de afetuosidade e troca contagiou as redes sociais: congressistas compartilharam quase 600 Stories no Instagram marcando perfil da Intercom, mais outros tantos que marcaram o perfil do congresso. Além de fotos e vídeos de apresentações de trabalho, oficinas, minicursos e conferências, os Stories do Instagram foram o espaço de celebração dos vencedores da Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação (Expocom), que foram anunciados no encerramento do congresso, no dia 10 – a exemplo do que já tinha acontecido nas etapas regionais, em outubro.

“Mesmo com o formato diferenciado e emergencial que adotamos para os regionais e, consequentemente, para o Expocom, e mesmo com estudantes e professores não convivendo presencialmente, tivemos mais de 1.300 trabalhos concorrendo ao Expocom neste ano”, afirma a professora Ariane Pereira (Unicentro), diretora Cultural da Intercom e coordenadora geral da Expocom. “E os alunos também participaram ativamente das premiações, fazendo festa cada um em sua casa durante os regionais e agora, no nacional. As cerimônias foram, de certo modo, um meio de aproximação, de aconchego, de carinho nesses tempos de isolamento.”

Visite @intercom_oficial no Instagram e confira os Stories nos destaques do perfil.

PLATAFORMA E CERTIFICADOS

A plataforma do Intercom 2020 fica no ar até o dia 10 de janeiro de 2021, período em que os congressistas podem assistir às gravações nos auditórios, fazer check-in nos eventos e visitar os estandes da Feira de Livros.

Qualquer pessoa pode ver, no YouTube do Intercom 2020, a abertura do congresso e conferência do professor Muniz Sodré; a cerimônia do Prêmio Luiz Beltrão, do Troféu José Marques de Melo e dos Prêmios Estudantis; e a festa de encerramento e premiação do Expocom.

A organização do Intercom 2020 e a Secretaria da Intercom estão trabalhando na emissão dos certificados. Em breve, os congressistas receberão um e-mail com as orientações para baixar seus certificados, então é importante conferir as caixas de entrada e de spam do e-mail informado na inscrição.

RUMO AO INTERCOM 2021

"Comunicação e Resistência: educação como prática para a cidadania" será o tema central do 44º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2021), que terá a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), em Recife, como organizadora e anfitriã.

"No último congresso, tivemos como tema 'Fluxos comunicacionais e crise da democracia', que trouxe uma preocupação muito importante: em um mundo marcado cada vez mais por algoritmos, inteligência artificial, plataformização, como pensar ou como reinventar a democracia? Neste ano, nós fizemos articulação entre passado, presente e futuro a partir de uma obra da Unesco, com o tema central 'Um mundo e muitas vozes: da utopia à distopia?'. O próximo tema celebrará o centenário do pedagogo Paulo Freire e pautará diferentes atividades ao longo de 2021", explica o professor Giovandro Ferreira.

Segundo a diretora Científica da Intercom, a entidade, a organização do congresso nacional e as comissões que organizarão os congressos regionais ainda não definiram como os eventos serão realizados, uma vez que as decisões dependem das condições sanitárias relativas à covid-19. "Mesmo em um cenário de incertezas, a Intercom realizou todos os seus congressos em 2020, ainda que de modo reconfigurado. Em 2021 não será diferente, e a Diretoria Executiva e as equipes locais já se preparam para a organização dos eventos", explica a professora Nair. "O momento ainda é de profunda indefinição quanto à pandemia, então as decisões serão tomadas após a necessária análise do cenário e a escuta de nossa comunidade."

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

CÁTEDRAS E OBSERVATÓRIOS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO, CULTURA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL CRIARÃO REDE LATINO-AMERICANA

Cátedras e observatórios das áreas de comunicação e informação, cultura e desenvolvimento social criarão uma rede latino-americana com o intuito de alavancar a colaboração em ações e iniciativas conjuntas.

A proposta foi feita por Guilherme Canela, chefe da Área de Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), durante o I Encontro Latino-Americano de Cátedras e Observatórios de Comunicação e Informação, Cultura e Desenvolvimento Social, realizado no dia 8 de dezembro como parte da programação do 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2020). Já no início de 2021, uma reunião de trabalho dará início à formatação da Rede de Cátedras e Observatórios de Comunicação e Informação, Cultura e Desenvolvimento Social, com agendamento de um encontro de todos os membros.

Inicialmente, farão parte da Rede: a Cátedra em Comunicação e Informação da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom); a Cátedra Olavo Setúbal de Arte, Cultura e Ciência, da parceria entre o Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP) e o Itaú Cultural; a Cátedra Unesco de Comunicação da Pontificia Universidad Javeriana (Bogotá, Colômbia); a Cátedra Unesco/Umesp de Comunicação, sediada na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp); o Observatório da Mídia: direitos humanos, políticas, sistemas e transparência, vinculado à Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); o Observatório de Comunicação Pública (OBCOMP), vinculado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); o Observatório da Imprensa, iniciativa do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (ProJor); e o Observatório da Comunicação Institucional (OCI).

“A ideia foi muito bem aceita durante a primeira edição do encontro, e vislumbramos aí um caminho importante para a reflexão sobre possíveis formas de atuação em conjunto, ações em parceria e discussões sobre caminhos em comum para a promoção e o desenvolvimento de uma rede de colaboração em torno da comunicação e da informação”, avalia a professora Sônia Jaconi, diretora de Projetos da Intercom e uma das coordenadoras da Comissão de Implantação da Cátedra Intercom.

A professora Nair Prata, diretora Científica e que também coordena a Implantação da Cátedra da entidade, explica que a Rede não deverá ficar restrita aos organismos participantes do Encontro realizado no Intercom 2020: “Para a primeira reunião, será realizado um levantamento de todas as cátedras e todos os observatórios no campo da Comunicação na América Latina, e seus representantes serão convidados a participar, de modo a criarmos uma entidade forte e representativa”.

Adauto Candido Soares, coordenador do Setor de Comunicação e Informação da Unesco Brasil que estava presente no I Encontro, parabenizou a Intercom pela iniciativa do evento, que, segundo ele, tratou-se de um importante espaço de reflexão e de trocas. Soares apontou, ainda, que a futura Rede ajudará na disseminação da agenda da Unesco e na alfabetização midiática, que considera uma questão cada vez mais importante.

Acompanhe os canais oficiais da Intercom para saber as novidades da futura Rede de Cátedras e Observatórios de Comunicação e Informação, Cultura e Desenvolvimento Social.

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

CONHEÇA OS VENCEDORES DOS PRÊMIOS ESTUDANTIS INTERCOM 2020

Os vencedores dos Prêmios Estudantis da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) em 2020 foram anunciados no dia 9 de dezembro, em cerimônia virtual durante o 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2020) que também homenageou os vencedores do Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação e do Troféu José Marques de Melo – Maturidade Acadêmica Regional.

"Neste momento de turbulência que temos vivido, tendo que discutir se a Terra é redonda ou plana, é de fundamental importância reafirmar os valores do nosso campo. Então, é importante ressaltar a importância do capital genuíno da nossa área fazendo esse reconhecimento, que é um estímulo a outros pesquisadores e a outras instituições a continuar nesta caminhada de construção e consolidação do campo da Comunicação", afirmou o professor Giovandro Ferreira (UFBA), presidente da Intercom, na cerimônia de premiação.

Os Prêmios Estudantis reconhecem anualmente os trabalhos de maior destaque apresentados durante o congresso nacional da Intercom no ano anterior: o Prêmio Vera Giangrande é concedido a trabalhos apresentados no Intercom Júnior (graduandos e recém-graduados); o Prêmio Francisco Morel vai para estudantes de mestrado que apresentaram em Grupo de Pesquisa (GP); e o Prêmio Freitas Nobre é destinado a estudantes de doutorado participantes de GPs.

Os finalistas de 2020 apresentaram seus trabalhos no Intercom 2019, em Belém, e foram selecionados pelos coordenadores de IJs e GPs e por júri especializado em suas respectivas áreas de pesquisa. Esses finalistas reapresentaram seus trabalhos no Colóquio Acadêmico, realizado no sábado (05/12) durante Intercom 2020, e os avaliadores desta etapa definiram o primeiro, segundo e terceiro lugares de cada prêmio.

Conheça os vencedores:

PRÊMIO VERA GIANGRANDE
1º LUGAR: “A Masculinidade em Questão: A promoção de um debate na esfera pública” – João Victor Gomes de Oliveira (UEL)
2º LUGAR: “Do Poder Midiático ao Simbólico: O grupo Ferreira Gomes e a história política cearense” – Manoel Izidorio Cabral Neto e Wesley Guilherme Idelfoncio de Vasconcelos (UFCA)
3º LUGAR: "Direito à Comunicação é Direito à Saúde: Comunicação pública e cidadania para uma Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, Florestas e Águas" – Gabriel Cunha (UnB)

PRÊMIO FRANCISCO MOREL
1º LUGAR: “Conhecimentos Localizados no Jornalismo: Uma proposta de sentido de objetividade que potencialize os projetos feministas” – Jessica Gustafson (UFSC)
2º LUGAR: “Intersecções teóricas entre Economia Política da Comunicação e Estudos de Fãs” – Aianne Amado (UFS)
3º LUGAR: “Campanhas Publicitárias de Prevenção ao HIV/Aids em Sala de Aula: Uma parceria entre universidades paulistas e o Programa Municipal de DST/Aids para o enfrentamento do HIV/Aids na cidade de São Paulo” – Thiago Pássaro (USCS)

PRÊMIO FREITAS NOBRE
1º LUGAR: “Sobre o que falam os fãs de Olavo de Carvalho? Uma análise computacional de comentários no Facebook” – Celina Lerner (UFABC)
2º LUGAR: “Emancipação Política por meio de Práticas Comunicativas Alternativas: Lélia Gonzalez no jornal ‘Mulherio’” – Pâmela Guimarães Silva (UFMG)
3º LUGAR: “Criança e Más Notícias: Aproximações ao imaginário da saúde sobre a comunicação no cotidiano do cuidado” – Anderson dos Santos Machado (PUCRS)

Para conferir a apresentação dos trabalhos no Colóquio Acadêmico, basta acessar a programação do dia 5 de dezembro no Auditório Pelourinho, dentro da plataforma do congresso (exclusiva para inscritos).

A cerimônia de premiação pode ser vista na plataforma virtual (Auditório Farol da Barra) até o dia 10 de janeiro, ou por tempo indeterminado no YouTube do Intercom 2020.

PRÊMIO LUIZ BELTRÃO E TROFÉU JOSÉ MARQUES DE MELO

Reconhecendo pesquisadores e grupos/instituições de pesquisa cujo trabalho se destacou no último ano, o Prêmio Luiz Beltrão tem o objetivo de contribuir para a consolidação do campo das Ciências da Comunicação. Os homenageados nas quatro categorias foram selecionados pelo júri a partir das indicações feitas no primeiro semestre de 2020 pela comunidade acadêmica via chamada pública e já haviam sido anunciados. Já o Troféu José Marques de Melo – Maturidade Acadêmica Regional destaca anualmente um pesquisador sênior de referência na região onde ocorre o congresso nacional, que em 2020 foi realizado em modalidade virtual pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Lembre quem foram os premiados deste ano:

Liderança Emergente: Vilso Junior Chierentin Santi (UFRR). Graduado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel), mestre em Comunicação Midiática pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), doutor em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e pós-doutor em Filosofia e Ciências Humanas pela Universidad Nacional Experimental Simón Rodríguez (Venezuela). É pesquisador e professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Roraima (UFRR) e vice-coordenador do GT Teoria e Metodologia da Pesquisa em Comunicação da Associação Latino-americana de Investigadores da Comunicação (Alaic).

Maturidade Acadêmica: Maria Ataide Malcher (UFPA). Doutora e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), é representante da área de Ciências Humanas e Sociais no Conselho Deliberativo do CNPq e bolsista de produtividade em pesquisa na área de divulgação científica. Atua como professora associada do Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão da Universidade Federal do Pará (UFPA), onde também é docente permanente no Programa de Pós-graduação Criatividade e Inovação em Metodologias de Ensino Superior e coordenadora do Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia.

Grupo Inovador: Comuni - Núcleo de Estudos de Comunicação Comunitária e Local. Formado por pesquisadores de diversos estados e regiões do Brasil, o Comuni investiga a comunicação protagonizada por movimentos comunitários e sindicais, organizações não governamentais, instituições públicas e privadas de mídia local e de comunidades.

Instituição Paradigmática: Universidade Federal do Pará (UFPA). Criada em 1957, a UFPA é constituída por 15 institutos, oito núcleos, 36 bibliotecas universitárias, dois hospitais universitários e uma escola de aplicação. A instituição atingiu as marcas de 38 mil estudantes de graduação e de 9 mil estudantes de pós-graduação em 2018, sendo a maior universidade pública da Amazônia.

Troféu José Marques de Melo – Maturidade Acadêmica Regional: Othon Fernando Jambeiro Barbosa (UFBA). Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 1966, é mestre em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Comunicação pela Politécnica Central de Londres, atual University of Westminster, além de ter realizado pós-doutorado na Universidade de Brasília (UnB). É professor titular da UFBA desde 1968, onde atuou como chefe de Departamento, coordenador de curso de graduação, coordenador de programa de pós-graduação, diretor de unidade, pró-reitor e vice-reitor. Tem publicações na área de Informação e Comunicação, com ênfase em Políticas, Economia Política e Regulação da Informação, Cultura de Massa e Comunicações. Coordenou os projetos Cidades Contemporâneas e Políticas de Informação e Comunicações, Cidades e TICs - Participação Civil e Transparência de Gestão e Fomentando a Indústria do Audiovisual no Brasil: o olhar dos produtores independentes e Política de comunicação pública online: websites municipais e a lei de acesso à informação.

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

PUBLICOM: CONFIRA O CATÁLOGO DE LIVROS LANÇADOS NO INTERCOM 2020

O Publicom, evento anual de lançamento de títulos no campo da Comunicação realizado pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), ocupou um estande virtual durante o 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Além das 69 obras lançadas, o evento também teve sessões de bate-papo com os autores e duas mesas temáticas, com coordenação do professor Felipe Pena (UFF), atual diretor Editorial da Intercom, e sua antecessora, professora Roseméri Laurindo (FURB).

Os acervos de 2020, 2019 e 2018 podem ser consultados no site do Publicom.

Entre os títulos lançados neste ano, quatro levam o selo Intercom:

  • Desafios da comunicação em tempo de pandemia – Um mundo e muitas vozes, organizado por Nair Prata, Sônia Jaconi e Genio Nascimento. O e-book reúne 20 textos resultantes da série de lives realizadas no primeiro semestre pela Cátedra em Comunicação e Informação Intercom.
  • Meio Ambiente, Saúde e Divulgação Científica: Questões Comunicacionais, organizado por Katia Lerner e Arquimedes Pessoni. O livro apresenta a produção científica do Grupo de Pesquisa (GP) Comunicação, Divulgação Científica, Saúde e Meio Ambiente da Intercom, com onze artigos em três eixos temáticos: as relações entre jornalismo, meio ambiente e sociedade; as interfaces entre Comunicação e saúde, em especial no que tange à cobertura noticiosa e à produção de subjetividade e do cuidado nas sociedades contemporâneas; e o debate sobre comunicação pública.
  • Fluxos Comunicacionais e Crise da Democracia, organizado por Nair Prata, Sonia Caldas Pessoa. O livro traz os textos das discussões que ocorreram no 42º Ciclo de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, durante o 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2019).
  • Fluxos Comunicacionais e Crise da Democracia – Olhares de jovens pesquisadores, organizado por Sonia Caldas Pessoa, Nair Prata. O e-book reúne oito dos quase 300 trabalhos de jovens pesquisadores apresentados durante o Intercom 2019, sendo um de cada Divisão Temática (DT) do Intercom Júnior.

intercom BRIGADEIRO

SÃO PAULO - SP
(11) 3892 7557
AV. BRIG. LUIS ANTÔNIO, 2.050 - CONJ. 36- BELA VISTA
SECRETARIA@INTERCOM.ORG.BR



Horário de atendimento:
Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13 às 17h